:: PROFESSORES CONVIDADOS


Yuri Zhislin, Violino


Descrito pela revista The Strad como um "virtuoso com um temperamento verdadeira-mente romântico", o violinista e violetista Yuri Zhislin obteve o título, na Rádio BBC, Jovem Músico do Ano, em 1993. Estudou na Gnessin Music School em Moscovo e posteriormente no Royal College of Music. Yuri apresentou-se como solista nas orquestras da Rússia, América Sul, Estados Unidos, Europa, Extremo Oriente, Austrália e Nova Zelândia. Gravou o primeiro CD, em 2005, para a SOMM Recordings, o qual recebeu óptimas críticas, e um CD de estreia do Russian Virtuosi da Europa (atualmente Camerata Tchaikovsky) - um ensemble formado por Zhislin em 2004 - "CD orquestral da BBC Music Magazine do mês" em 2016.  Yuri é professor de violino e viola no Royal College of Music e, é muito procurado como professor convidado em toda a Europa.





Marta EufrásioViolino

Estudou violino com Alberto Gaio Lima, na Escola Profissional Artística do Vale do Ave (Artave) e música de câmara com David Lloyd e Jed Barahal, antes de ser admitida no Royal College of Music, em Londres, onde estudou com o conceituado Grigory Zhislin. Foi nesta instituição que, em Julho de 2001, terminou com distinção a Licenciatura em música (especialidade violino) e, dois anos depois, o Mestrado em Performance (violino). Concluiu, ainda, em 2005, a Licenciatura em Ensino da Música (violino) e obteve o Diploma de Estudos Avançados em Música, na área da performance, em 2011, ambos da Universidade de Aveiro.¶ Participou como executante em Masterclasses orientadas por professores de renome internacional, como Ida Haendel, Dr. Felix Andrievsky, Lewis Kaplan, Joyce Tan, Gerardo Ribeiro e Daniel Rowland. Apresentou-se a solo com a orquestra Artave, em 1996, com a orquestra Musicare, em 2004, sob a direção do Maestro Cesário Costa, em 2008 e 2009, com a orquestra Raízes Ibéricas, sob a direção do Maestro José Atalaya e Piero Beluggi, respetivamente, e com a orquestra Filarmonia de Gaia, em Julho e Outubro de 2012, sob a direção do maestro Mário Mateus. Paralelamente, desenvolveu uma atividade constante na área da música de câmara em duo com o pianista Constantin Sandu, em trio e em quarteto de cordas. É membro fundador do quarteto Suggia, com o violinista Yuri Zhislin, com quem tem apresentações regulares. É Professora Adjunta e subdiretora do Departamento de Música na ESMAE, onde leciona desde 2004. Foi-lhe atribuído o Título de Especialista, pelo Instituto Politécnico, em Fevereiro de 2015.




Barbara Friedhoff, Viola d' Arco

Natural de Portland, Oregon, Barbara Friedhoff ganhou uma bolsa de estudos (Music Performance Award) para a Universidade Indiana, onde estudou com Georges Janzer, do Trio Grumiaux.  Em 1972 ganhou o 1º Prémio de Viola no Concurso do Estado do Oregon e em 1974 o 1º prémio do Indianapolis Monday Music Club. Em 1976 ingressou na Tonkünstler  Orchester, em Viena, como viola solista. A partir de 1978, na qualidade de bolseira do Governo Alemão, frequentou a Academia de Música de Detmold, onde se diplomou sob a orientação de Bruno Giuranna, de quem foi assistente no International  Musician’s  Seminar, em Inglaterra. Tocou com o New York String Seminar, sob a orientação de Alexandre Schneider, e recebeu bolsas para os festivais de Aspen, Tanglewood, sarasota, Blossom e da Yale School of Music, em Norfolk. Participou em cursos de aperfeiçoamento com alguns dos melhores artistas do meio musical, como Walter Trampler, Janos Starker, Gyorgy Sebok, Raphael Hillyer, Henryk Szeryng e membros dos quartetos Budapest, Guarneri e Alban Berg. Na Europa, participou nos festivais de Siena e Prades e integrou a Orquestra da Rádio de Berlim, a ORF (Viena), a Philharmonica Hungarica, a Orquestra Real da Flandres e a Saarländischer Radio Orchestra. Como solista, tocou a Orquestra Sinfónica do Oregon, a Orquestra Sinfónica Nacional da Costa Rica e a Orquestra Gulbenkian, sob a direção de maestros como Leonard Bernstein, Seiji Ozawa, Lorin Maazel, Helmut Riling, Klaus Tennstedt e Mstislav Rostropovich, entre outros. Veio para Portugal em 1981 e desempenha desde então as funções de 1º Solista da Orquestra Gulbenkian. Em Portugal, além de se ter apresentado várias vezes como solista, participou em vários cursos de férias como professora convidada, tendo na atividade letiva preparado inúmeros violetistas para a vida profissional. Foi co-fundadora da Orquestra Promúsica e do Quarteto Capela - com o qual gravou discos de música portuguesa - e atuou com o Trio Bomtempo.



Miguel RochaVioloncelo

Iniciou os seus estudos no Conservatório do Porto com Isabel Delerue. Em 1983, prossegue a sua formação no estrangeiro com M. Strauss (Paris), Vectomov (Praga), Iankovic (Maastricht), Aldulescu, Pergamenchikov (Basileia), Fallot (Lausanne). Obteve vários diplomas com a máxima classificação, entre os quais o 1º Prémio de Virtuosidade do Conservatório Superior de Lausanne e o 1º Prémio do Concurso Internacional de Música UFAM. Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian de 1983-85, para estudar em Paris e na Academia Superior de Praga. Prosseguiu o seu aperfeiçoamento no Conservatório de Maastricht e na Academia Superior de Basileia, como bolseiro da SEC. Participou em estágios de Pedagogia na Manhatan University com Burton Kaplan e igualmente em cursos de interpretação com Paul Tortelier, C. Henkel, Janos Starker, P. Muller, M. Tchaikovskaia. Realizou concertos em França, Suíça, Alemanha, Itália, Espanha, México, Brasil e EUA. Foi violoncelista solo na Sinfonieta de Lausanne de 1996 a 1999. Leccionou durante 10 anos em várias escolas em França, nomeadamente no Conservatoire National de Belfort, Grenoble, Annecy e na Suíça, em Lausanne, de 1997 a 2000. Em 2001, regressou a Portugal, onde desenvolve uma intensa actividade como solista e músico de câmara, assim como pedagogo, na Escola Superior de Música de Castelo Branco - ESART. Tocou em várias formações com Ana Bela Chaves, António Rosado, Luíz Moura Castro, Daniel Rowland , Miguel Borges Coelho, Aníbal Lima, Filipe Pinto Ribeiro, etc. Como membro do Duo Contracello gravou três CD. Com o Trio Athena, gravou um CD em França, com os trios de Debussy e Beethoven. No violoncelo barroco, com o Avondano Ensemble, participou na edição e gravação de repertório inédito do séc. XVIII português - As quatro sonatas e dois duos de João Baptista André Avondano (com o violoncelo Stradivarius "King of Portugal") e na gravação de um segundo CD, com Os Trios Sonata de Pedro António Avondano (com o violoncelo Galrão, do Séc. XVIII). Atualmente é Violoncelo Solo da Orquestra Filarmónica Portuguesa.



Luis CabreraContrabaixo

Nascido em 1985 em Espanha, Luis Cabrera iniciou os seus estudos de contrabaixo aos dez anos. Prosseguiu os seus estudos no Conservatório Professional Joaquin Turina, com os Professores Rafael de Frias e Karen Martirossian. Obteve a pós-graduação na Guildhall School of Music & Drama sob a orientação do Professor Rinat Ibragimov e continuou a sua formação no Berlin's Hans Eisler University com o Professor Janne Saksala obtendo o grau de Mestre.  Em 2006, Luis tornou-se chefe de naipe da Netherlands Philharmonic Orchestra e tem sido convidado em numerosas ocasiões para atuar com as London Symphony Orchestra, Royal Philharmonic Orchestra, English National Opera, Rotterdam Philharmonic Orchestra, Orchestre National de France, Northern Sinfonia, Scottish Chamber Orchestra e Amsterdam Sinfonietta, tendo atuado com maestros como Sir Colin Davis, Valery Gergiev, Kurt Masur e Bernard Haitink. Na sua intensa participação em conjuntos de música de câmara, Luis teve oportunidade de se apresentar com artistas de renome como Gordan Nikolitch, Sarah Chang, Alina Ibragimova e Janine Jansen, tendo participado em numerosas gravações para varias editoras, entre as quais a EMI Classics and Pentatone. Importa referir a sua colaboração com a New Generation Artists scheme da BBC Radio 3.  Simultaneamente apresenta-se a solo e desenvolve actividades de ensino em Espanha, Holanda e Reino Unido.  Em Março de 2012, Luis tornou-se membro do corpo docente do Guildhall School of Music & Drama.



José-Daniel CastellonFlauta

José-Daniel Castellon, foi, desde muito jovem, premiado em vários concursos, incluindo o primeiro prémio no Concurso Internacional de Genebra, antes de completar 20 anos. Estudou no Conservatório Nacional Superior de Música de Lyon com Maxence Larrieu.  Foi flauta solo da Orquestra da Ópera de Lyon, Orquestra Nacional de Lyon e Orquestra de Câmara de Lausanne, onde trabalhou com J. E. Gardiner, J. Lopez-Cobos e Ch. Zacharias.  Apaixonado por pedagogia, obteve o diploma de professor de flauta aos 25 anos e lecionou no Conservatório Nacional da Região de Lyon, depois no HEM em Genebra, e desde 2004 é professor de flauta e música de câmara na HEMU em Lausanne. É convidado regularmente para masterclasses em algumas Academias de Música de maior prestígio em todo o mundo: França (LesArcs, Musicalta, Ponte Cultura / Corse), Suíça (Tibor Varga), Itália (Cagliari / Sardenha), Coreia (Suwon, Seul, Sorak), China (Academia Internacional de Música de Verão de Cantão), Espanha (Palma de Maiorca), Portugal, Brasil, Singapura, Síria .. É também convidado para o júri das principais competições internacionais da flauta: concurso Maxence Larrieu (Nice), Domenico Cimarosa (Aversa / Itália), Jean Françaix (Paris), EMONA (Liubliana / Eslovênia), IJMC (Belgrado / Sérvia). A sua actividade musical sempre mostrou grande ecletismo, e as suas performances como solista levaram-no nos últimos anos de Seul a Irkutsk, passando pelo lendário salão Tchaikovsky em Moscovo. José-Daniel Castellon foi convidado dos Festivais Internacionais de Música de Hakuba, no Japão, Les Musicades em Lyon, Georgy Sebok em Ernen, Festival Aux Chandelles na Alsácia, Festival de Música de São Bartolomeu, Festival de Bel Ar em Chambéry, Les 72 heures d'Ainay le Vieil, Rendez-vous de Rochebonne, Festival La Côte Flûte na Suíça, o Lindenbaum Festival em Seul, La Vie d'Or em Suwon e Daegu Flute Festival.  Em 2019, a sua gravação de obras de André Jolivet e Frank Martin, com a Orquestra de Câmara de Lausanne dirigida por Nicolas Chalvin, é premiada com um "CHOC" da Clássica, que conclui assim a sua crítica: "a versão atual é uma nova referência".



Jean Louis CapezzaliOboé

Nascido em Saint-Etienne, Jean-Louis Capezzali iniciou os estudos em piano aos 9 anos e aos 14 anos iniciou o estudo de oboé, ouvindo uma gravação de concertos de Vivaldi interpretados por Pierre Pierlot. Estudou na Schola Cantorum de Paris e no CNR de Versalhes, onde estudou oboé com Gaston Longatte, com quem obteve a medalha de ouro, prémio de honra e o certificado de aptidão (CA) de professor de oboé.  Em 1979 foi nomeado primeiro oboé solo dos Concertos de Lamoureux e, em 1984, oboé solo na Orquestra Filarmónica da Rádio de França. Foi também premiado nas Competições Internacionais de Genebra (1982) e Praga (1986).  Em 1988, após assumir o cargo de assistente na turma de Maurice Bourgue em CNSM de Paris, é também professor titular no Conservatório de Genebra.  Desde 1998, é professor no CNSM Lyon, sendo também responsável pelo Departamento de Madeiras e, na Haute Ecole de Musique do Conservatório de Lausanne. Lecciona masterclass de instrumento e de música de câmara na Britten School, Instituto Superior de Música de Périgueux formando oboístas em Academias Internacionais como Telè na República Checa, Musicalp em Courchevel ou Pablo Casals Festival em Prades. Realiza também uma carreira a solo e como músico de câmara apresentando-se com as orquestras Nacional da Aquitânia de Bordéus, Conjunto orquestral de Paris, de Câmara de Toulouse. É regularmente convidado a dar concertos e masterclasses na China, Japão, Coréia, Taiwan, Escandinávia, Rússia, Alemanha, Espanha, Polónia, República Checa, Estados Unidos, representando a Escola.  Jean Louis Capezzlli é artista Buffet Crampon desde 1992. 



António SaioteClarinete

António Saiote é um artista e pedagogo reconhecido mundialmente.¶ Foi bolseiro da Fundação Gulbenkian em Paris com Guy Deplus e Jacques Lancelot, e em Munique com Gerd Starke, onde obteve o Meisterdiplom da Hochschule de Munique com distinção. ¶ Fez um curso de Pós-Graduação de Música Contemporânea em Espanha com Artur Tamayo e Repertório Tradicional em Inglaterra com Georges Hurst.  Obteve o Mestrado em Direcção de Orquestra pela Universidade de Sheffield.  Apresentou-se com as Orquestras Gulbenkian, SinfónicaPortuguesa, Clássica do Porto, Rádio Lisboa e Porto, São Paulo, Shanghai e Sinfónica de Zurique e foi solista convidado dos congressos mundiais em EUA, Suécia, Canadá, Japão, Espanha e Itália. ¶ Actuou nos Festivais em Portugal e no Estrangeiro.¶ Desde 1998 desenvolve paralelamente uma profícua carreira de maestro tendo dirigido orquestras em Portugal, Espanha, Venezuela, França e Alemanha. Dirigiu algumas óperas tais como O Amor Industrioso, de Sousa Carvalho, Il Boticário, de Haydn, Amor de Perdição, de João Arroyo, O Doido e a Morte, de Alexandre Delgado, Pierrot Lunaire, de Schoenberg, etc. ¶ Integrou o Júri nos concursos de Toulon, Constancia, Sevilha, Varsóvia, Caracas, Kortrik, Ghent, Brasília e, presidente do concurso Valentino Buchi em Roma. ¶ Colabora regularmente como pedagogo, solista e maestro com o Sistema Venezuelano de Orquestras Infantis e Juvenis. ¶ Foi mentor e co-organizador do Congresso Mundial de Clarinete 2009 no Porto. (ESMAE).¶ É actualmente director artístico da orquestra sinfónica da ESMAE e do Meeting Internacional de Clarinete Marcos Romão, e membro fundador da Ópera Norte.¶ Gravou vários CDs e mantém uma presença activa das suas performances no Youtube. Actualmente leciona na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do Porto (ESMAE). onde é maestro da orquestra sinfónica.



Pedro SilvaFagote

Natural de Guimarães, Pedro Silva iniciou os seus estudos na Escola Profissional Artística do Vale do Ave concluindo a Licenciatura e o grau de Mestre em Interpretação Artística na Escola Superior de Música do Porto, na Classe do Professor Hugues Kesteman. Prosseguiu os estudos na Staatliche Hochschule für Music Karlsruhe (Alemanha) na Classe do Professor Gunter Pfizenmaier.  Paralelamente frequentou Master-Classes com Sérgio Azollini, Gustavo Nuñes, Milan Turkovic e Dag Jensen em Portugal, Alemanha, Suíça e França. Em 1995 foi laureado com o 3º Prémio no Concurso da Juventude Musical Portuguesa. No âmbito da Música de Câmara e Música Orquestral apresenta-se regularmente em Espanha, França, Holanda, Luxemburgo, Bélgica, Alemanha e Brasil.   Participou no Festival Internacional de Música de Mateus, Póvoa do Varzim, Espinho,Encontros da Primavera (Guimarães), Festival Été Mosan (Bélgica), Déodat de Séverac (França), Musiktheater (Alemanha), Festival Internacional de Música de Estrasburgo (França) e Campos do Jordão (Brasil). Integrou as Orquestras do Norte, Filarmonia das Beiras e Nacional do Porto. Destaca-se ainda a colaboração com os Solistas da Orquestra Gulbenkian, Quinteto Zelenka e com grande regularidade com o Remix Ensemble É membro fundador do Trivm de Palhetas e da Camerata Senza Misura com quem tem registos na Editora Numérica. Estreou obras de Magnus Lindberg, Jonathan Harvey e Bruno Mantovani. Como solista é dedicatário de obras dos compositores, nomeadamente, Jean-François Lézé, Fernando Lapa, Carlos Azevedo, Sérgio Azevedo, Telmo Marques, Pedro Faria Gomes e José Luís Ferreira. Da sua atividade pedagógica é de salientar a criação da classe de fagote em várias Academias e Escolas de Música. Lecionou na ARTAVE e atualmente colabora na Escola Profissional Artística do Alto Minho (ARTEAM). É professor efetivo da classe de fagote na Escola Superior de Música do Porto (ESMAE).



Antonio Felipe BelijarSaxofone

Começou os seus estudos musicais com sete anos de idade, completando-os no Real Conservatório Superior de Música de Madrid, onde obteve o "Premio de Honor Fin de Carrera de Saxofón".  Realizou vários recitais, concertos como solista e masterclasses, um pouco por todo o mundo, tendo actuado por diversas vezes em Espanha com as orquestras RTVE e Comunidad de Madrid, na Alemanha, Holanda, Dinamarca com a "The Schleswig - Holstein Musik Festival Oschester", com maestros David Sallon, Pekka Salonen, Donald Runnicles e Christoph Estendas.  Foi seleccionado pela Selmer - Paris para o "1er Templin Jeunes 2002-2003", para o qual foram escolhidos apenas quatro saxofonistas europeus.Recebeu os 1ºs prémios no "II Concurso Internacional para Jovens Solistas - Categoria B (até aos 19 anos)", em 1995; na categoria A (até aos 25 anos), no "Prémio Especial do III Concurso Internacional de Saxofone para Jovens Solistas (1996)"; no XIV Music Competition "Pacem in Terris" (2001), em Bayreuth, Alemanha; o 3º Prémio e Prémio Especial da Província de Lieja no III Concurso Internacional Adolphe Sax em Dinant (Bélgica, 2002) e o 2º Prémio no "IV Concurso Internacional Adolphe Sax (2006)".   É membro e director do grupo de saxofones "Sax Antiqua". Assiduamente realiza Masterclasses de saxofone em Espanha, Itália e Portugal. É professor no Conservatório Profissional Alcalá de Henares e na Universidade Francisco de Vitoria em Madrid.
 


Manu MellaertsTrompete

Estudou trompete, música de câmara e pedagogia no Instituto Lemmens, em Lovaina e no Conservatório de Bruxelas. Depois de estudar com P.Thibaud em Paris, R. Delmotte em Versalhes e E. Tarr, em Basileia, ganhou o concurso belga "Tenuto" em 1985 e esteve entre os laureados da competição internacional de trompetes em Toulon (França), em 1987.  De 1984 a 1986, foi instrumentista de trompete solo na orquestra da Rádio Flamish. Em 1987, destacou-se como primeiro trompete solo na Ópera Nacional "La Monnaie" (Bruxelas) e professor no Conservatório Real de Bruxelas. Atualmente, toca com conjuntos de música de câmara, trabalha como maestro convidado com orquestras juvenis e de sopro e, como solista, toca em muitos países europeus, sobretudo repertório barroco e clássico. Durante muitos anos, tocou com o famoso organista belga Luc Ponet, e em recitais com sua esposa, a pianista Katrien Verbeke. Manu Mellaerts é regularmente convidado como professor e instrumentista na Europa, Reino Unido, Ásia e EUA. É fundador e diretor artístico do conjunto de metais BELGA BRASS e do trio de trompete "G-Brass", juntamente com Slawomir Cichor (Polónia) e Jose Chafer (Espanha), acompanhados por Luc Ponet (órgão).



Ricardo MatosinhosTrompa

Ricardo Matosinhos nasceu em 1982, foi aluno da classe de Trompa de Ivan Kucera, na ESPROARTE (1994-2000) e Bohdan Šebestik na ESMAE, onde concluiu a licenciatura em 2004.  A curiosidade levou-o a explorar os caminhos da trompa no jazz e, por essa razão, teve aulas com o saxofonista Mário Santos, cuja influência se veio a refletir mais tarde no seu estilo de composição.  Concluiu, em 2012, o mestrado em Ensino da Música, na Universidade Católica, com a apresentação da dissertação "Bibliografia Selecionada e Anotada de Estudos para Trompa publicados entre 1950 e 2011".   Participou em diversos cursos de aperfeiçoamento em Portugal e no Estrangeiro.  Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian entre 1998 e 2004.  Em 2007 foi-lhe atribuído o 2º prémio do Concurso Jovens Músicos na modalidade de Trompa Nível Superior. Como artista convidado colaborou com a Orquestra Filarmonia das Beiras, Orquestra do Norte, Orquestra de Jazz de Matosinhos, Remix Ensemble, ONP entre outras.  Ministrou diversos Workshops e Cursos de Aperfeiçoamento em Portugal e na República Checa.  No âmbito da composição é autor de diversos materiais pedagógicos para o ensino da trompa, bem como de composições para diversas formações instrumentais. Algumas das suas obras foram reconhecidas em vários concursos nacionais e internacionais.  Lecionou na ARTAVE e atualmente leciona na Academia de Costa Cabral (Porto) e na Universidade de Évora onde também frequenta o programa de Doutoramento em Música e Musicologia. É membro da International Horn Society, da Sociedade Portuguesa de Autores e da GDA.



Ian BousfieldTrombone 

Nascido em York, Inglaterra em 1964, Ian Bousfield é um dos trombonistas mais influentes e bem sucedidos do nosso tempo. Desde a mais tenra idade, tocou em bandas de música de estilo inglês ao mais alto nível, o que lhe permitiu desenvolver uma noção de conjunto incrivelmente desenvolvida, essencial na sua carreira posterior como membro de orquestra. Com a Yorkshire Imperial Band venceu os concursos  British Open, National e Yorkshire Após obter uma bolsa de estudos da London Symphony Music, com 15 anos e ao serviço da recém-formada Orquestra da Juventude das Comunidades Europeias, dirigida por Claudio Abbado, a sua carreira numa orquestra era inevitável. Depois de cinco anos na Orquestra Hallé, Ian tornou-se trombone principal da Orquestra Sinfónica de Londres em 1988, com quem gravou um CD, sendo o seu trabalho ouvido em centenas das gravações, incluindo muitas bandas sonoras de filmes - p. ex. Star Wars Episódio I e Braveheart. ¶ Em 2000, Ian foi solista na Filarmónica de Viena e na Ópera de Viena até 2012. Enquanto solista, Ian apresentou-se com orquestras e bandas de música, destacando-se a LSO e a Filarmónica de Viena, sob a direção de Riccardo Muti, Michael Tilson Thomas, Kent Nagano, Sir Neville Marriner, Ion Marin e Tadaaki Otaka. Atuou, como solista, com as bandas de metais mais famosas, como os US Marine Band e Kosei Winds no Japão. Tem muitas gravações a solo com as editoras EMI, Chandos, Camerata e Doyen.  Foi professor na Royal Academy of Music em Londres desde 1992. Projetos recentes incluíram apresentar-se como maestro e solista nos grupos de metais da New World Symphony, Bern Symphony, Sonderborg Symphony e Norlands Symphony. Ian toca um "4147 Ian Bousfield" de Getzen. Tem também a sua própria gama de bocais no mercado, bem como o livro, "Unlocking the Trombone Code". Foi o vencedor do prémio da International Trombone Association, em 2012.



Nuno ArosoPercussão

Professor, Investigador e solista de percussão com intensa actividade concertística, Nuno Aroso (Porto, 1978) desenvolve a sua carreira focado no desenvolvimento da literatura para a sua área instrumental. Tocou em estreia absoluta mais de 120 obras, concertos para percussão, música de câmara e solo, e gravou parte deste repertório em inúmeras edições discográficas (Wergo Naxos, Groove Scooter Records, Modermusix, Clean Feed, Cavalli Records, Baskaru, Monochrome Vision, entre outras).  Apresenta-se a solo em Portugal, França, Alemanha, Bélgica, Itália, Eslovénia, China, Tailândia, Suíça, Grécia, Suécia, Inglaterra, Bulgária, Tunísia, Escócia, Coreia do Sul, Japão, Chile, EUA e etc.  Particularmente motivado para o enriquecimento e renovação da forma do concerto enquanto espectáculo completo e multidisciplinar, desenvolve com frequência relações artísticas com outras disciplinas: Dança, Cinema, Teatro, Literatura, "Media Arts". O compromisso com a música de câmara leva Nuno Aroso a colaborar com inúmeros artistas e colectivos portugueses e europeus, em múltiplos contextos, desde os mais formais até aos que se movem por caminhos do experimentalismo e da improvisação.  Nuno Aroso licenciou-se pela Escola Superior de Música do Porto com a classificação máxima e prosseguiu estudos em Estrasburgo e Paris. É doutorado pela Universidade Católica Portuguesa, onde defendeu a tese The Gesture's Narrative - Contemporary Music for Percussion.  Lecciona no Departamento de Música da Universidade do Minho e Escuela Superior de Música de Extremadura - Musikex. Estende a sua actividade docente a outras prestigiadas universidades, conservatórios e festivais de música um pouco por todo o mundo como o Conservatório Superior de Aragão (Espanha), Concorso Musical Paolo Serrao (Itália), Days of Percussion - Athens (Grécia), World Percussion Movement - Bari (Itália), Universidade Federal da Bahia (Brasil), Connect Festival - Mälmo (Suécia), Universidade de la Plata (Argentina), Conservatório de Paris (França), Northwestern University (EUA), University North Texas (EUA), Festival de Percusion de Patagónia (Argentina), Manhattan School of Music (EUA), entre muitos outros.  Nuno Aroso toca com instrumentos Adams, Zildjian e baquetas Elite Mallets.


Sofia LourençoPiano

Actualmente é pós doutoranda e bolseira da FCT. Os seus interesses de investigação centram-se na musicologia histórica, estudos de performance (escolas de piano), e na musicologia sistemática, na qual centra o seu projecto multidisciplinar MAPP- Multimodal Analysis of Piano Performance. Pianista, é natural do Porto, onde concluiu estudos superiores (Conservatório de Música do Porto, Faculdade de Letras da U.P.). Discípula de Helena Sá e Costa aos 10 anos, iniciou o estudo de piano na Juventude Musical Portuguesa com Maria da Glória Moreira e Fausto Neves, no Conservatório de Música do Porto. Foi igualmente orientada por diversos pianistas de referência (Sequeira Costa, V. Margulis, A. Larrocha, G. Sebok, C. Cebro, G. Sava, L. Simon). Obteve o Diploma de Solista de Piano (Abschlussprüfung Klavier) na Universität der Künste Berlin, como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian. É professora adjunta de piano na ESMAE/IPP desde 1991. Concluiu o grau de Doutor em Música e Musicologia na Universidade de Évora em 2005. Integra desde 2007 (Coordenação Estudos Musicais 2009 a 2013), o Centro de Investigação (CITAR) da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa.Dedica-se à divulgação da música portuguesa, tendo gravado 4 CDs a solo para a editora Numérica: em 2008, "Porto Romântico: Mazurkas e Romanzas", o CD "DUAL" (dedicado ao compositor Álvaro Salazar) e em 2012 para o Festival Black & White Duo pour une Pianiste (9 Sketches for One Pianist) para Disklavier de Jean-Claude Risset (world premiere dedicated to her). Em 2016, a Naxos, editora líder mundial na gravação de música erudita, edita e lança um CD seu "Portuguese Piano Music", com obras para piano solo de Vianna da Motta e João Guilherme Daddi.